A BOA MULHER - CONTO POPULAR

Diz que tinha um homem que morava com a mulher numa fazenda que ficava muito distante. O fazendeiro vivia tranquilo com sua esposa. O lugar era pequeno, mas bem cuidado. Eles ainda tinham duas vacas e um saco de moedas de ouro que estava escondido no fundo de um baú. Esse tesouro era para ser usado quando eles tivessem filhos. A esposa parecia ser muito boa e sempre incentivava o marido em tudo que ele fizesse.
Um dia o fazendeiro falou:
- Mulher, acho que temos muito trabalho cuidando dessas duas vacas! Melhor levar uma delas até a cidade pra vender! O que você acha?
E a mulher respondeu:
- Acho ótimo! O leite de uma das vacas dá perfeitamente pra nós dois! E com menos trabalho, teremos mais tempo pra ficar juntos! E ainda podemos juntar mais dinheiro para os nossos filhos que um dia virão!
No dia seguinte o homem pegou uma das vacas e levou até a cidade para vender. Mas quando chegou lá, ninguém quis comprar o animal. Mas o homem não se chateou:
- Não há de ser nada! Vai ver que consigo melhor negócio com a minha vaca em outro lugar!
E o fazendeiro começou seu caminho de volta para casa. Não andou muito e encontrou um homem com um cavalo. O cavaleiro quis trocar o seu animal pela vaca. O fazendeiro achou que seria um bom negócio e fez a troca. Um pouco mais adiante ele encontrou um homem andando e puxando um porco gordo. O fazendeiro achou melhor ter um porco gordo do que um cavalo, então ele trocou com o homem. Depois que ele andou um pouco mais e encontrou um outro sujeito com uma cabra. O fazendeiro resolveu trocar os bichos e assim foi feito.
A caminhada continuou. Até ele encontrou um pastor que tinha uma ovelha, e trocou com ele também, pois o fazendeiro achou melhor ter uma ovelha do que uma cabra. Depois de um tempo ele conheceu um sujeito com um ganso, e o fazendeiro fez nova troca. E quando ele tinha andado um pouco mais encontrou um velho com um galo. O fazendeiro fez a troca e disse alto;
- É certamente melhor ter um galo que um ganso!
Então ele foi andando, mas começou a ficar com muita fome. Já estava desesperado de fome quando ele viu uma cabana. Foi até lá e trocou o galo por um prato de comida. E o fazendeiro falou com ele mesmo:
- É sempre melhor salvar a vida do que ter um galo!
Depois ele foi para casa, mas antes o homem passou na casa de seu vizinho mais próximo para uma prosinha. E o dono da casa foi logo perguntando:
- Bem... como é que foi lá na cidade?
- Assim... assim... - respondeu o fazendeiro.
E o vizinho quis saber:
- Como é isso? Você não vendeu a vaca?
E o fazendeiro contou toda a história: que não vendeu a vaca e que foi trocando por tudo quanto era bicho até ficar com um galo que trocou por um prato de comida. O vizinho colocou as mãos na cabeça:
- Xiii... sua mulher vai matar você!!
- Que nada! - falou o fazendeiro – Minha mulher é muita boa! Ela sempre me incentiva!
O vizinho riu:
- E isso existe? Boa mulher? São todas umas pestes! Se fingem de boazinhas, mas tem uma hora que mostram as garras!
O fazendeiro coçou a cabeça:
- Não sei das outras, mas a minha mulher é boa de coração!
E o vizinho insistiu:
- Pois eu aposto com você que ela agora vai mostrar as garras! Aceita a aposta?
- Aceito! – respondeu o fazendeiro – Se eu perder lhe dou um saco de ouro e a minha fazenda! Se o amigo perder me dá dois sacos de ouro! Pode ser assim?
A aposta estava acertada. Os dois ainda ficaram conversando. Depois foram juntos para fazenda. Ao chegar lá o vizinho se escondeu para ouvir a conversa do casal. O fazendeiro entrou em casa e anunciou:
- Mulher, cheguei!
A esposa veio e cobriu de abraços o marido. O vizinho, no esconderijo, falou consigo mesmo:
- Primeiro os abraços... depois a pancada!
Lá na casa a esposa perguntou ao marido:
- Como é que foi lá na cidade? Vendeu a vaca?
O vizinho, no esconderijo, aprumou o ouvido já esperando a briga do casal. E o fazendeiro falou para mulher:
- Ih... não vendi! Ninguém quis comprar! Mas na volta encontrei um cavaleiro e troquei a vaca pelo cavalo...
- Por um cavalo! - disse sua mulher – Que bom! Teremos um transporte para nos levar para a igreja aos domingos! Cadê o cavalo?
- Ah! - respondeu o marido – Não tenho mais o cavalo! Andei mais um pouco e troquei por um porco!
- Um porco! - exclamou a mulher – Que maravilha!! Você fez exatamente o que eu faria! Agora eu posso ter um pouco de bacon em casa para oferecer as visitas. Não precisamos de um cavalo para ir a missa! É melhor ir a pé! Fazemos até exercício! E onde está esse porco? Vamos colocar ele no chiqueiro?
- Mas eu não tenho mais o porco! - disse o homem - Troquei por uma cabra leiteira!
- Abençoado seja! - exclamou a mulher – Imagina ter um porco! Depois de comer o bacon... acabou-se! Um cabra é muito melhor! Podemos fazer queijo com o leite e oferecer as visitas! Vamos guardar essa cabra?
- Mas eu não tenho mais a cabra... - disse o marido - Andei mais adiante e troquei por uma ovelha!
- Não me diga uma coisas dessas! - exclamou a mulher – é impressionante como você faz tudo para... me agradar! O que queremos com uma cabra? Uma ovelha é muito melhor! Vai nos dar lã! Poderemos fazer roupas! Uma beleza! Corra, meu querido, vamos guardar a ovelha!
- Mas eu não tenho mais a ovelha! - disse o fazendeiro - Troquei por um ganso!
- Por um ganso!! Um ganso!! - exclamou a mulher – Eu não acredito! Obrigado! Com todo meu coração! O que faríamos com uma ovelha? Não tenho roca de fiar, nem pente de cardar, nem gosto muito de costuras. Ah... vamos assar o ganso para comemorar! Onde está ele?
- Ah! - o homem falou - mas eu não tenho mais o ganso pois, quando andei um pouco mais, eu troquei por um galo!
- Meu Deus! O que você fez? - exclamou a mulher - Como você consegue pensar em tudo! Não gosto de ganso e não sei como cozinhar esses bichos! Um galo! Vai ser o nosso despertador! Nunca mais vamos perder a hora! Vamos, meu querido! Vamos colocar o galo no terreiro!
- Mas eu também não tenho mais o galo! - disse o marido – Eu estava com muita fome e troquei o galo por um prato de comida!
No esconderijo, o vizinho esfregou as mãos:
- Agora essa bondade acaba!
Na casa, o fazendeiro perguntou para a mulher:
- Você ficou chateada?
A esposa olhou bem séria para o marido.
- O que você fez? O que você fez? - a mulher suspirou – Foi exatamente o que eu faria! Pra que precisamos de um galo? Sem esse despertador horrível podemos ficar um pouquinho mais na cama... bem juntinhos! Eu iria ficar chateada se você ficasse com fome! A gente não precisa desses bichos todos! Temos um ao outro e isso basta! Você fez bem, meu querido! Fez muito bem!!
O marido abraçou a esposa feliz da vida. Ele rodou com a mulher dando gritos de felicidade. A mulher não entendeu nada:
- O que foi, meu bem?
E o fazendeiro explicou:
- Por causa da sua sabedoria e bondade temos mais dinheiro para os nosos filhos quando eles vierem!
O homem foi até o vizinho que não teve outro jeito senão pagar a aposta. O marido voltou pra casa e viveu feliz com sua mulher por muitos e muitos anos.

conto popular adaptado por Augusto Pessôa